Happy…

outubro 31, 2008

HALLOWEEN se vocês está por aqui. Não esqueça de ficar looooooge dos doces! 🙂

E se você está no Brasil non puedes esquiecer que hoje é lo dia internacional de hablar-se portuñol!!!


Moda de inverno canadense

outubro 29, 2008

A gente já tem uma dizer aqui em casa de que “ô bicho pra sofrer é imigrante”.
Imigrante sofre, sofre muito, mas depois cria um couro grosso que ajuda a proteger do inverno  😉
Hoje, 29 de Outubro, veja bem que o Hallloween ainda nem passou e já acordamos com a Capital City coberta de neve.
Pois é, e o inverno oficialmente só começa dia 21 de Dezembro, tá nega?!

E foi inspirada pelos dois últimos posts da Jeanne, que eu resolvi escrever sobre a minha experiência (7 invernos nos couros) com roupinhas de inverno. E a minha experiência diz que tudo depende muito de quanto frio você sente, do seu gosto, orçamento e “anos de Canadá”. Pois veja bem, com o passar do tempo a gente fica sim mais tolerante com o friozinho delícia daqui.

Quando eu cheguei aqui cometi todos os erros de imigrante-recém-chegada. No dia da minha chegada (22 de Dezembro de 2002) fui direto pro Dufferin Mall (doces lembranças…) comprar o meu casaco de inverno. Como o Mr. já estava por aqui, ele me deu as dicas do que estava “na moda” e do que era o “casaco bom”. E foi assim que eu comprei um casaco 3 em 1 da Columbia, carríssimo, na cor azul-bebê, tamanho GRANDE, e que me assombrou por vários invernos até que eu finalmente o vendi pra uma mulher GRÁVIDA.
Por favor gente, se você vai comprar o seu primeiro, e provavelmente único, casaco de inverno, compre um preto. Vai por mim.

Comprar roupa de frio tamanho grande é outro erro grave. Você vai ficar com mais cara de imigrante-que-acabou-de-chegar e comprou ou herdou qualquer coisa. O caimento fica horrível. Ombros grandes demais, mangas cobrindo as mãos, Golas passando do colo. Todo mundo pensa que um casaco grande vai permitir que você use vários moletons por baixo, mas não é bem assim, quanto melhor o caimento, menos vento vai entrar no seu casaco. E ninguém precisa de 3 moletons pra se aquecer. Comprando as roupas de baixo certas, dá pra ficar muito bem vestido e não passar frio.

Depois do casaco a roupa de baixo é a compra mais importante. Existem as tais das ceroulas de algodão que geralmente são recomendadas pra nós, imigrantes, e são vendidas nos Wal-marts e Zellers da vida.
Mas pelo amor, não compre. Elas são volumosas, a cintura é alta demais e as estampas são horríveis. Se você observar bem, os nativos não usam. O que você precisa, e merece, são roupas de baixo próprias pra quem pratica esportes de inverno.
São chamadas de “Base Wear” ou Long John. Elas são super leves, confortáveis e não marcam debaixo da roupa. É um investimento que faz muita diferença. Eu adoro usar um legging também, seja debaixo da calça ou com saia e bota, é bem quentinho, não faz volume e você encontra até por $10 dólares!

As roupas “do meio” podem ser suas roupas normais mesmo, jeans, moletons, ternos e malhas. Eu gosto de ter alguns suéteres de gola alta e mais fofinhos praqueles dias muito frios.

Sapatos e botas tem que ser fechados porque senão a neve vai encontrar um jeito de entrar lá dentro! Existem mil modelos e preços. Eu amo minhas botinhas peludas que comprei baratinha na Sears.
Com elas eu enfio o pé lá dentro da neve sem pena! E olhe que elas nem são de marca. Mas se você anda muito na neve e no frio é melhor ir numa loja de esportes e comprar uma bota impermeável de boa qualidade que vai durar uns 5 anos. E lembre de deixar espaço pra uma meia grossa de lã. Outro erro que eu cometi foi comprar uma botinha linda da Timberland, bem carinha, mas que fica apertada com uma meia mais grossinha, ou seja, acabo não usando no inverno rigoroso.
É importante também que o solado seja anti-derrapante, senão já viu né? Bunda no chão molhado e frio!
Leve o seu sapato bonitinho na bolsa ou deixe ele no escritório pra trocar quando chegar. A bota molhada fica no tapete de entrada viu?

E por fim os acessórios! Sim, porque luvas, gorros e cachecóis bonitos é que fazem o seu casaco preto básico mudar de cara o tempo todo.
Nada de comprar qualquer coisa por aí. Já que esses acessórios geralmente são baratinhos em qualquer lugar, vale entrar naquela loja linda e compra um conjunto de tricô numa cor diferente.
Luvas de couro forradas com fleece são uma delícia de usar e sempre chiques. Pashiminas podem substituir os cachecóis de tricô quando não está tão frio. E pra quem sabe usar chapéu (eu ainda estou aprendendo),
eles são muito mais arrumados que gorrinho e não bagunçam tanto o cabelo.

Onde comprar: eu AMO a Mountain Equipment Co-Op pra botas, casacos, e base wear. Tudo lá é da melhor qualidade pois é desenvolvido pra quem pratica esportes de inverno. Algumas coisas são mais caras, mas a maioria tem preços competitivos, e claro, dura pra sempre! Os preços de bolsas e mochilas de lá são imbatíveis. Já pra casacos mais chiques de lã tem que ser loja de shopping mesmo. Tem pra todos os bolsos e estilos. Se quiser comprar um bem caro e lindo, espera pelo boxing day e se joga!!!


Feeling it all

outubro 28, 2008

Se você mora no Brasil você pode nunca ter ouvido falar da Feist.
Mas se você mora no Canadá ou nos “US and A” não tem nem perigo de não saber quem ela seja depois da música “One, Two, Three, Four” ter sido escolhida pro comercial do ipod nano um tempo atrás (tocou até torrar o cérebro!).
Eu gamei na música e na voz dela, fui atrás dos cds e virei fã.
Então imagine aí a minha alegria quando na sexta passada uma amiga liga oferencendo dois ingressos pro show da Feist no NAC pela METADE DO PREÇO! É claro que eu disse SIM né? Sou nem besta.
E valeu muuuuuito a pena! O show foi lindo, com coisinhas coloridas projetadas num telão atrás dela, tipo um slide show sabe? Não se explicar direito, mas tudo ao vivo e bem “low-tech”, super cute.
Ela é um amor também, muito carismática, uma voz incrível e cheia de energia.
Eu já estava preparada psicológicamente pro show ser bem canadense, leia-se, num teatro, com lugar marcado e todo mundo sentadinho no máximo batendo uma palminha. Mas que nada! Quando ela tocou “I fell it all” todo mundo se levantou e começou a dançar.
Não chegou a ser aquela coisa de empurrar a galera pra frente do palco mas já foi alguma coisa né? Teve até uma galeinha mais animada que subiu no palco! Eu até me espantei!

Uma surpresa boa foi o show de abertura do Hayden que eu não conhecia mas já virei fã também.
Nossa, eu me sinto uma ignorante quanto à música canadense, só sabia da Celine Dion até um tempo atrás, hihihi.

Eu até tentei tirar umas fotinhas, mas minhas máquina não cooperou muito, além de ter sido totalmente humilhada por uma câmera de celular de muito melhor qualidade. Tadinha.


Bonjour dimanche

outubro 26, 2008


Finalmente!

outubro 24, 2008

(Pra vocês que lêem o blog aí no reader ó!).

Finalmente terminei de postar, selecionar, organizar, apagar e comentar TODAS as fotos da viagem pra San Francisco e elas já estão aí no flickr. Eu sei que parece muita, mas na verdade eram mais de 1000! Imagina aí 10 dias e 2 câmeras, eu já consegui deixar em 200, já é grande coisa!

Tá bom, eu sei que tem umas 100 fotos da ponte, mas veja bem, um dos motivos da gente ir lá é pra ver essa bendita ponte né? E olhe que não foi fácil não. Você imagina que vai desembarcar no aeroporto de dar de cara com a GG mas na verdade ela fica bem afastada do centro da cidade. Então a gente foi lá, um dia de bicicleta e outro de carro, e fotos, muitas fotos, de dia, de noite, parando e indo rápido. A gente ATÉ pagou pedágio sabia? Achando ruim, mas e daí, é experiêcia de ponte também né? 🙂

Eu também sei que tem um moooooonte de fotos da Love Parade, mas é que eu me inspirei, nunca tinha visto tanta cor, tanta produção legal, tanta gente bonita assim junta curtindo a vida. Vai lá ver e copiar um modelito pra você também!

E claro, tem um monte de fotos de comidas, porque comer é bom, mas comer comida bonita e fotogênica é muito melhor!!! E tem foto de arte (no museu e na rua!), de ponto turístico, de nós (claro!), de coisas lindas e coisas estranhas. Essas fotos estão cheias de memórias boas, a gente vai fazer um album de papel agora, pra ter sempre pertinho.

Eu espero que vocês vão lá, comentem, perguntem o que quiserem, se inspirem, e fiquem com vontade de ir também!


Quem acredita em caridade?

outubro 24, 2008

Aqui no escritório todo ano nessa época tem uma campanha pra arrecadar fundos pro United Way. Na verdade essa é uma campanha nacional onde milhões de dólares são arrecadados pra caridade.
Eles inventam mil maneiras de conseguir doações. Aqui as meninas fazem leilão de bolos e tortas doadas, sorteios, bingo e tals. Toda semana tem uma coisa pra separar você do seu querido dinheirinho, chega até a ser um pouco “pushy”, ou seja, você fica meio constrangida de não contribuir todas as vezes.

O que me leva a pensar nesse aspecto da cultura canadense, existe um grande senso de dever quanto à caridade e trabalho voluntário. É incrível como TODO mundo contribui e participa, seja rico ou pobre, é apenas uma parte das suas obrigações sociais, como pagar impostos ou levantar pra dar o lugar pra uma velhinha no ônibus. E é importante saber também que muita coisa (escolas, pesquisas, bancos de alimentos) é mantida por essas doações. Mas mesmo assim eu ainda tenho sentimentos confusos quanto à doação de dinheiro sabe?
Eu não sinto segurança de que o MEU dinheiro indo pra determinada organização vai estar sendo usado da melhor maneira. Eu também não me sinto muito bem doando pro Canadá (que já é tão rico né?) enquanto eu sei o que é a real pobreza que existe no Brasil e que lá meu dinheiro é mais valorizado (se bem que eu também não dôo nada pra lá). E eu também não gosto muito da pressão pra doar naquela determinado dia do tal sorteio, bingo, que seja. Sei lá, você acaba doando pra ficar bem com o pessoal, sem fama de mesquinha sabe?
Eu nem sempre estou no espírito de doar, prefiro ficar com os meu $5 dólares pra comprar uma revista ou um café, não acho que tenho obrigação entende?

Será que eu sou só mesquinha mesmo?

Eu não me acho tão rica a ponto de doar $5 dólares toda semana. Será que eu tenho que doar e pronto, cumprir com o meu dever? Ou será que eu tenho o direito de me sentir um pouco desconfortável com tudo isso?


Teste

outubro 23, 2008

Tirar a própria foto no espelho do banheiro é tão difícil!
Créditos: botinhas italianas, vestido que mamis mandou, foto do iPhone.