O momento da partida…

julho 11, 2007

Queridos leitores, sinto informá-los que partirei hoje para as terras distantes do além-mar.

Durante a minha ausência consolai-vos em reler os meus posts antigos, escrever comentários interessantes e desejar que eu volte mais inspirada para criar um novo blog.
Junto ao peito levarei o meu diário de bordo que pretendo partilhar com vocês ao retornar.

Minha única ocupação de agora em diante será explorar o velho mundo e usufruir de todos os deleites sensoriais que ele proporciona.

Voltarei no mês de Augustus.
Postarei fotos.
Contarei estórias.
Liquidarei com a solidão que assolará os vossos corações.

Anúncios

A pré-estréia…

julho 10, 2007

Só mais um dia de trabalho para as minhas merecidas férias…

Enquanto o V. se preocupa em confirmar horários de vôos, documentos e reservas, cá estou eu estressadíssima sem saber que roupas levar.
Coisas de mulher.
Eu não sou daquelas que leva o guarda-roupa inteiro quando viaja. Sou mochileira. Visto a mesma roupa várias vezes e lavo o que preciso na pia do banheiro mesmo.
Mesmo assim é difícil decidir.

E os sapatos então?! A única coisa certa até agora são as minhas havaianas maravilhosas que a Jú mandou do Brasil. Amei.

O livro já está escolhido também. Bag of Bones do Stephen King. Comecei a lê-lo a um tempo atrás e nunca terminei, mas é muito bom, mistura várias estórias e é grosso o suficiente pra resistir às longas viagems de trem.

Os cosméticos, claro, são em quantidade limitada para permitir novas inclusões ao longo da viagem (porque eu também não sou de ferro).

E por fim o mais importante, meu ipod com a trilha sonora perfeita para a viagem perfeita!


Sad realization…

julho 9, 2007

O LAYOUT do meu blog TÁ horrível 😥


To serve and protect

julho 9, 2007

Sou só eu ou todo mundo também está com essa sensação de que o verão ainda não começou mesmo pra valer?

Faltam 2 dias…

Além de toda ansiedade pela viagem, ontem o clima foi de aventura. Tivemos tiroteios, terror e sirenes policiais para alegrar nossa tarde de domingo. E não foi na televisão.
Tudo começou quando voltando do parque com o Gigico e a Mami ouvimos algo como um tiro. O Linux, como cão de guarda feroz e corajoso que é, veio logo pra debaixo das minhas pernas.
Continuamos seguindo nosso caminho um pouco mais apressadamente quando vimos, na varanda do prédio logo de frente pro rio, uns rapazes socando algo num cano preto, tipo como preparando uma arma. O movimento era exatamente o mesmo que o meu pai fazia quando preparava a espingarda pra ir caçar.
Aí meu amigo, o sangue gelou. Peguei o Xeleleu, botei debaixo do braço e apertei o passo, ainda vi os caras apontando a “arma” pro rio e desparando mais um tiro.
Ao chegar na entrada do nosso prédio, mais um disparo.
Cheguei em casa com o coração na mão.
Vejam que estamos no Canadá meu amigo, mais precisamente em Ottawa, a cidade mais pacata que conheci na vida. Não sou mais acostumada com essas coisas.
Sem falar que levo o Gigico nesse parque quase todos os dias. Já pensou se alguém atira no meu tizolinho pensando que ele é um coelho?
Então como boa quase-cidadã-canadense que sou, liguei pra polícia. Me tremendo toda é claro, porque polícia aqui é negócio sério.
Minutos depois ouvimos as sirenes da polícia chegando no prédio vizinho. Uma policial muito gente boa (e muito bonita também, diga-se de passagem) veio aqui em casa tomar o meu depoimento e ficou logo toda amiga do Vladimir quando viu o Macbook dele. Altos papos.
No fim fomos informados que os perpetrators estavam utilizando uma spud gun pra se divertir na monotonia do domingo à tarde. Coisas de adolescentes bocós né? Só que eu já estou muito velha pra tolerar essas coisas, meu depoimento está lá escrito e assinado. E eles ficaram sem seu brinquedinho.
Vale um parágrafo aqui pra dizer que minha mãe roeu todas as unhas, e queria por que queria descer pra ver o movivento da polícia lé em baixo do outro prédio. Ai ai, acho que ela anda assistindo muito barra pesada…


A mulher e a modernidade

julho 6, 2007

Gente, vocês sabem que eu sou uma mulher moderna né? Bem educada, feminista, liberal e coisa e tal.
Mas hoje estou me sentindo a própria traidora dos meu valores. Sabe aquele sentimento que você não conseque sufocar? Que te espanta saber que tais sentimentos existem dentro de você? Pois é, sou eu hoje. A vergonha do movimento feminista.
Tudo isso por causa de um jogo de panelas italianas gente. Eu não consigo negar, nem esconder. Eu estou APAIXONADA pelas minha panelas italianas que Mami me deu de presente ontem. Elas são tudo o que uma mulher precisa pra ser feliz.
Eu estou radiante.
E ainda tenho a audácia de dizer que ganhar panelas italianas é melhor do que ganhar sapatos italianos.


Das coisas que a gente aprende…

julho 5, 2007

Cheguei atrasada no trabalho hoje e fui explicar pro chefe que tive um domestic problem.
Daí ele vai: Oh! Com uma cara bem preocupada.
Quando eu emendo minha desculpa esfarrapadíssima (até porque eu sou uma péssima mentirosa) ele explica: Ah, então você teve um HOUSEHOLD problem.
Eu entendi na mesma hora que DOMESTIC problem é outra categoria completamente diferente (é daquelas em que alguém chega no trabalho com um olho roxo…).


julho 4, 2007

Eu já percebi que esse negócio de escrever no blog todo dia é coisa para espíritos superiores. E não o meu caso. Eu até me acostumei a arrumar a cama, usar protetor solar, e beber dois litros de água todos os dias. Mas escrever, editar e postar, aí já está querendo demais.
O problema é que eu começoa ser muito exigente consigo mesma. Todos os posts têm que ser brilhantes, bem escritos e engraçados. E convenhamos que eu ainda tenho muito o que escrever pela frente. Mas creio que a prática leva à perfeição. Logo, pratico.

******

Eu não canso de dizer aqui no blog (e pra quem mais quiser ouvir) que sou fã do Neil Gaiman. Sou tiete mesmo. Acho ele genial, amo tudo o que ele escreve e morro de inveja da sua cultura. Tudo começou com o Sandman que depois passou pros livros e logo logo teremos mais um filminho.

Sendo assim, não poderia ficar eu mais-que-contente quando o V. além de me convidar pra almoçar no meu restaurante preferido aqui de downtown (uma birosca japonesa onde a comida é boa demais), me dá de presente, assim do nada (independence day?) o Dream Hunters, que eu nem conhecia mas que agora não consigo viver sem! Sim, eu sei, I am such a spoiled girl!

******

Negada, vocês não tem noção de como o Gigico tava lindo no Canada day (ele agora chama todo mundo de negada). Foi uma tietagem só. Fez mais sucesso que o Stephen Harper. Todo mundo que passava olhava pra ele. As meninas iam à loucura, fotos, beijos, autógrafos…
É o preço que se paga por ser tão lindo.